quarta-feira, 11 de junho de 2008

RiachosEMfesta

O programa da festa foi anunciado numa cerimónia, tornando desnecessária a vida deste blogue. Mas ainda bem. É sinal que o tempo sempre marcha e que estamos cada vez mais perto da maior Festa da Benção do Gado do país! Tudo se passou na tarde do dia 31 de Maio no pátio do Cigano segundo os preceitos do imaginário riachense: houve bois, carroças, palha, varas, barretes, camisas e coletes, confrarias, rancho, cantadeiras e petisco. Apareceu gente curiosa e comunicação social. Não há festa como esta!

Enfim, quem não falou, falasse. Mourisco e Ramalhete agradecem as colaborações e as visitas e, antes de desligarem da máquina o seu amado blogue, gostariam de deixar a ligação para o sítio oficial da Benção do Gado 2008, onde se pode consultar o programa. É só carregar nos valentes homenzinhos que puxam em vão pelo boi.

Mas não é tudo. Aguardem pela revelação de uma das partes mais interessantes da festa. A programação da Tascarte não foi ainda divulgada, mas muito em breve será aqui exposta.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Olaré!

Bem sei q vocês aí no Riacho andam à procura de gente e coisas para animar a Festa da Benção do Gado. Sugiro portanto os workshops de danças tradicionais dos Tradballs, grupo de loucos brilhantes habituados a Andanças e Entrudanças, e possivelmente mais acessíveis (financeiramente) que os Pé de Xumbo e quejandos. Estes meninos ensinam pelo país todo (Lisboa, Porto, Aveiro) e com jeitinho são bem capazes de ir ao Ribatejo. Fazem de tudo - de galegas a irlandesas, passando pelo Corridinho do Algarve e (claro!) pela Erva Cidreira e outras da vossa zona. Para mais, já experimentei, assumo-me viciada e recomendo vivamente.
Convém ver o seguinte link: http://tradballs.blogspot.com/

Com os melhores cumprimentos e votos de muitos coelhos da Páscoa

Lia

quarta-feira, 5 de março de 2008

T-shirts

Olá!

Venho por este meio apresentar a sugestão da criação de t-shirts alusivas à Festa. Parece-me que há malta da Tascarte que até tem jeitinho para o desenho e poderíamos ter camisolinhas de qualidade na Festa. Acho que é de louvar aquela t-shirtzinha amarela da BG do ano 2000, mas também acho que se pode fazer melhor.

A marca "Bênção do Gado" é de todos os riachenses, devemos usá-la em produtos de prestígio e não apenas em panfletos vestíveis como as t-shirts dos anos anteriores.

Não tenho talento para isso, mas há quem tenha.

O que acham?

Sempre às ordens!

Abraço

Gustavo

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Nosyvozes

Nas últimas semanas tem-se falado na possibilidade de os Nosyvozes subirem ao palco da Benção do Gado 2008. O grupo resolveu, em 2004 fazer um pausa sabática sem termo, tendo o último concerto decorrido exactamente na edição de 2004 da BdG.

O convite foi-nos de facto edereçado pela organização há umas semanas, e, juntos analisámos a proposta, que acabámos por declinar. As razões por detrás da nossa decisão prendem-se com as mesmas que motivaram a paragem dos Nosyvozes há quatro anos. Ou seja, actualmente a vida pessoal e profissional dos elementos do grupo não permite que nos juntemos para fazer criação artística. São agruras da vida.

De qualquer forma, ficará sempre aberta a porta a um reencontro dos Nosyvozes em palco.
Um bem hajam a todos.

Luís Santos

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Músicas novas



Uma riachense propôs as Tucanas para uma actuação na Benção do Gado. Têm um álbum novo e desde que as vi, tive que concordar... Também ficavam muito bem na Tascarte, até porque fazem uns ritmos engraçados.

Aproveito para fazer um apelo à reunião dos Nosyvozes na Tascarte!

André Lopes

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Podia ser melhor...

Uma fuga de informação permitiu-nos sacar o cartaz da próxima BdG, que divulgamos aqui em formato pirata. Reserva-se a identidade do espião em óleo vegetal.

domingo, 27 de janeiro de 2008

Tascarte 2

Ora aqui está um conjunto de belas ideias! Apoio todas as sugestões apresentadas e acho que era bom se conseguissemos pôr tudo isto em prática. Com isto já está o grosso do programa cultural da Tascarte preenchido. Vamos embora! Temos que começar a tratar disto, a falar com as pessoas, perceber a logística inerente a toda esta variedade de entretenimento. Podíamos ainda arranjar dois ou três jugglers, que fariam o mesmo que os tais gajos de Lavolhos, ou seja, sair da Tascarte de vez em quando para animar o recinto. Assim de repente, lembro-me da Raquel...Outra coisa em que podemos pensar, é na exposição de fotografias do Lima, que serão enquadradas nas molduras do José Coelho. Parece que não há ainda nada pensado em termos de localização. Porque não na Tascarte?Por fim, tinha pensado num trio ou quarteto clássico. Não sei se concordam, talvez não seja muito adequado?Quanto aos DJ's, acho que podemos dar-lhes uma noite. Entre um e três acho que era fixe, mas todos na mesma noite.De resto, improvisos, sem dúvida! Vamos a isto.

Xico Pereira a 26 de Janeiro de 2008 18:44 (reprodução do comentário)

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Tascarte

Ouvi falar destes artistas, que acho originais e diversos, bons para o contexto de acção da Tascarte, que é descontextualizar, ou seja, fazer e apresentar coisas diferentes daquilo que é habitual na Bênção do Gado.
Estas propostas, claro, inserem-se num espírito económico contido, sendo necessária a intervenção financeira da comissão.
Pessoalmente não sou muito dançarino nem bailarino, mas queremos cativar esses espíritos soltos. Os Alfa Arroba assumem-se como criadores de bailaricos através de música com clarinetes, percussão, concertina e uma orientadora de dança que mete toda a gente a dançar. Parece-me bom para um dia sem animação principal, em que se convocasse um animado grupo de benzidos para povoar a Tascarte.


Outros bacanóides, que encaixariam na Tascarte, são os já conhecidos Danças Ocultas Estes dão espectáculos musicais com concertinas, deixando o público a curtir milhões nos fardos de palha.
Outra hipótese para dar uso aos fardos de palha, é uma banda de alunos do Hot Club de Portugal vir dar um pequeno espectáculo na nossa tenda. Conheço um gajo que anda lá e diz que organiza um combozinho manhoso (no bom sentido, assim à jazz) de 4, 5 ou 6 músicos para vir. Eles estão no 3º ano de jazz, já sabem umas coisitas, vêm por um cachet razoável e, como são amadores, entram no espírito dos Improvisos.
E escusado será dizer que Tascarte que é Tascarte tem que ter os habituais Improvisos, cujas sessões deram aos participantes de 2004 (que, dia após dia, não conseguiam fugir ao apelo criativo) uma grande desbunda.
Entretanto os curiosos riachenses continuam à espera da prometida fusão do folclore com jazz ou rock. Bicho, Gama, Brutus?

No campo dos workshops pela tarde, uma coisa que era espectacular de concretizar: uma oficina de construção de instrumentos, como gaitas, flautas e outros pífaros, tambores, reco-recos, etc. Alguém sabe de pessoas ou grupos capazes de orientar uma coisa desse género?
O que me traz à memória o Grupo de Bombos de Lavacolhos, que vi em Viana do Castelo em Agosto passado. Constituídos por uns orgulhosos 3 bombos, 2 caixas e 1 pífaro, arrebentam com todo o sossego. Imagino-os a sair da tenda, várias vezes sem aviso, para dar uma volta ao recinto. A freguesia de Lavacolhos, no concelho do Fundão, é conhecida pelos seus bombos. Acho que dava uma animação ímpar na Bênção do Gado e à medida da Tascarte.

Para os putos, no sentido da formação ou entretenimento infanto-juvenil (princípio e ponto de partida da Tascarte em 2004) lembrei-me que houve um festival de contadores de histórias há tempos, acho que em Alijó. No entanto, para já, não sei mais informações acerca disso. Alguém sabe? Quando procurava na internet contactos de contadores de histórias, encontrei o Teatro Agora, uns bacanos de Évora que encenam umas coisas para crianças até 6 anos. Além do espectáculo que mantêm em cena, fazem umas oficinas de criação e expressão artística para filhos e pais.

Precisam-se sugestões para as Oficinas da Tarde! Esta rubrica não é exclusiva para a comunidade juvenil, também deve servir os que dizem não fazer parte dela.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Comentários, leva-os o vento

Para quem não lê os comentários, aqui tem os últimos:

coelhonerx disse...

As ideias são boas, mas são melhores quando são postas em práctica,
vamos lá a sentar em volta de um mesa e programar actividades destas,
afinal a organização da benção do gado tem 3 departamentos de actividades no âmbito cultural, de certeza que algum se encaixa nestas actividades e não acredito que, quem tem estas ideias tão bem definidas, tenha dificuldade de as programar,

o povo de riachos e arredores agradece!!! não se deixem a dormir...

18 de Dezembro
toirobravo disse...

também acho que se deve aproveitar a eira, mas não tem que ser apenas para encenar quadros antigos.
Puxem pela cabeça. Até podem surgir ideias mais fixes.
porque não encomendar ao Hugo Gama uma cenografia teatral ou coisa que o valha, que possa ser interpretada na eira. Sei lá até pode ser uma cena pós-moderna, com a colaboração das bandas rock e outras músicas. Seria uma boa marradela na pasmaceira, não acham?

20 de Dezembro

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Um belo sítio

Esta proposta refere-se à zona mais simbólica da identidade riachense, talvez mesmo a última, enquanto inalterada: a Eira. Acho que este espaço deve ser dinamizado durante a Festa da Bênção do Gado. Aqui ficam algumas hipóteses bastante diferentes de que me lembrei:

- Folclore: actuação dos camponeses ou articulado com o festival que vai haver. Isto vem no seguimento da já falada ideia da descentralização de eventos.
- Representação de elementos de agricultura tradicional: batimento, secagem e limpeza dos cereais, o cânhamo, etc. Uma coisa mais para o didáctico portanto. Uma exposição ao ar livre? Articulação com o MAR.
- Passeios lá abaixo ao Porto da Várzea, com algumas personalidades que eu cá sei a contar histórias do cânhamo pelo caminho – esta cultura passada é um elemento de distinção da nossa zona. Sensibilização para o desgraçado do Almonda.
- Feira de animais? Mostra de privados dos seus bois, cabras, ovelhas, galinhas? Ainda melhor: umas mulas para a malta se divertir a dar umas voltas. A Associação Protectora dos Cães da Golegã podia ir lá dar alguns e mobilizar pessoas para a sua causa.
- Mini festa de antecipação da Bênção do Gado. Durante um dia, até ao lusco-fusco, haveria alguns artistas a desfilar. Uns Improvisos talvez? Esta hipótese é mais melindrosa, uma vez que depois seguir-se-ão 10 dias de animação total e a saturação e o cansaço não pode chegar mais cedo.

Os Eventos da Eira seriam para a Festa uma mais-valia do caraças. Não há sítio melhor para albergar e representar o património da memória riachense. Além disso o próprio espaço físico é uma vantagem e um belo património: tem muita largueza, muita verdura e oliveiras, uma aura especial fornecida pelos grandes edifícios abandonados, vista para o Almonda e o Casal do Vale, chiça, o museu havia de expropriar aquilo!
Caindo na realidade real, diz-se nas ruas que a Eira já está programada para loteamento. Uma situação destas, provavelmente torna impossíveis os Eventos da Eira. No entanto, achando piada à ideia, poderíamos mover esforços no sentido de sensibilizar os donos para a emprestar só para a Bênção do Gado.

André Lopes